oitava poesia

Teu rosto fica mais bonito quando a maior distância entre ele e o meu é o espaço necessário pra respirar. Gosto de todos os contornos que ele tem, as pontas dos meus dedos já sabe o caminho a fazer quando redescubro ele sempre que te toco. Sobrancelha, olhos, nariz, cavanhaque, boca, queixo, esse conjunto tem uma harmonia que me enfeitiça, ou talvez seja exagero de gente apaixonada, não importa, só sei que te acho tão bonito quanto as luzes dos prédios que refletiam na laje aqui de casa naquele dia. Não sei pessoas normais, mas eu meço a intensidade dos meus sentimentos pela inspiração que as pessoas causam em mim e a gente tem poesia a qualquer hora e lugar. Olha eu aqui pela oitava vez falando da gente e só pra te contrariar não vou falar do quanto foi divertido reler os textos anteriores juntos acompanhados de cerveja, nem das moedas caídas no chão, nem de nenhum momento que você especulou que eu tivesse ensaiando na minha cabeça o que poderia escrever sobre a gente, até que ensaiei exatamente nos momentos que adivinhou, mas só pra não fazer teu gosto arrumei na minha cabeça outras coisas como teu rosto, poderia falar mais dele, mas queria terminar logo isso aqui porque preciso dormir e já tá tarde. Então só queria falar da nossa energia. Acredito na força da energia das pessoas e a nossa é leve e feliz, ainda que oscilante, mas feliz, tão feliz que hoje termino a semana sorrindo pra você e pra vida e começo outra amanhã tranquila e sem pressa de te ver de novo, pra gente não perder a graça e o riso. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

por menos romantização nos sintomas da gravidez

reviravolta

pariu, bateu, que balance